Vídeo: Assaltante cadeirante é preso durante tentativa de roubo em joalheria

Imagem: Divulgação

Na tarde de segunda-feira (25), por volta das 16 horas, a Brigada Militar de Canela, no Rio Grande do Sul, recebeu ligação, via 190, sobre um roubo em andamento em uma relojoaria na rua Júlio de Castilhos, no Centro do município. Conforme comunicante o autor seria um cadeirante e estaria portando uma arma.

A guarnição que estava na área central rapidamente foi ao estabelecimento e abordou o suspeito. Ao chegar a arma estava no chão, sendo constatada que se tratava de um simulacro (réplica) de pistola. Ele ainda estava com uma faca enrolada na cadeira de rodas.

A vítima relata que o cadeirante chegou e apresentou um papel escrito: “Passa tudo, não chama atenção”. Logo passou a apontar a arma segurando com o pé.

Os policiais militares prenderam o autor de 18 anos que é mudo e portador de necessidades especiais (não mexe as mãos), sendo conduzido para registro.

Deficiências

Conforme informado pela mãe do suspeito, ele sofre de paralisia cerebral e além da deficiência motora nos braços e mãos, ele também não fala. A mãe relatou que ele tem certa habilidade nos pés e reconheceu a letra do filho no bilhete que ele mesmo teria escrito.

Bilhete anunciando o assalto. ─ Imagem: Reprodução

O jovem foi solto após os esclarecimentos na Delegacia de Polícia. O delegado Vladimir Medeiros justificou diversas razões para não manter a prisão. “Primeiro, e mais importante, porque as circunstâncias do fato devem ser aprofundadas, o que somente através de uma investigação é possível. Há de se considerar que, dados os elementos inicialmente trazidos à Delegacia de Polícia, possivelmente seria um crime impossível de ser consumado, especialmente se considerada a condição física do investigado, inclusive em razão da impossibilidade de fuga. O investigado, que não tem antecedente policial, foi ouvido na Delegacia de Polícia na presença de familiar, que auxiliou a compreensão do relato, já que ele é mudo.”

O cadeirante tem um irmão gêmeo que está preso por homicídio. Ele executou um traficante de facção rival em outubro do ano passado.

*Com informações de Martin Behrend

Comentarios