Prefeitura conclui 85% das obras do primeiro Reservatório de Amortecimento de Águas Pluviais

(Foto: Márcio James)

O primeiro Reservatório de Amortecimento de Águas Pluviais da capital amazonense com a capacidade para reter aproximadamente 30 mil metros cúbicos de água, está com 85% da obra concluída, instalado no bairro Jorge Teixeira 3, zona Leste. O equipamento faz parte do conjunto de obras de Macrodrenagem da gestão David Almeida ao longo do igarapé do Mindu e está sendo executada pela Unidade Executora do Programa de Infraestrutura Urbana e Ambiental de Manaus (UEP/ Seminf).

O equipamento chamado de reservatório para controle de cheias terá a capacidade para reter parte do escoamento superficial gerado durante a chuva para depois fazer sua devolução de forma lenta e gradual aos leitos dos córregos e rios, atenuando as cheias. É uma estrutura utilizada para acumular, de forma temporária, as águas pluviais e tem a função de amortecer as vazões de cheias e reduzir os riscos de inundações.

De acordo com a diretora da UEP/Seminf, Myrian Koifman, o projeto surgiu após as alegações ocorridas em 2007, onde centenas de famílias das comunidades próxima foram prejudicadas com a inundação.  “Nós já temos 85% da obra concluída, o reservatório tem uma área de quase 50 mil metros quadrados e terá capacidade de reter 30 mil metros cúbicos de água, o que irá reduzir as alagações como a que tivemos em 2007, onde centenas de famílias da comunidade foram cruelmente prejudicadas com as fortes chuvas e as constantes alagações”, ressaltou Koifman.

Projeto

O Projeto de Recuperação Ambiental, Requalificação Social e Urbanística do Igarapé do Mindu foi assinado, ainda em 2007, mas a obra só teve andamento em 2010 a partir de investimentos de R$ 200 milhões em desapropriações. O manejo das águas urbanas contempla ações para instalar e implantar soluções ambientais corretas na área da bacia do Igarapé do Mindu, interrompendo um ciclo de vários anos de ocupação irregular em áreas de preservação permanente.

Obra

O projeto já conta com a desapropriação de residências que estão no traçado da obra, onde mais de mil famílias já foram indenizadas.   Como resultados das ações, a coordenação da UEP apresentou 11 metas concluídas, dentre elas: a elaboração de plano de águas pluviais e proteção de margens de curso; Corredor Ecológico, destacando a Construção de duas áreas de lazer, uma no Jardim Primavera e outra na Colina do Aleixo.

Comentarios