Acidente entre caminhão e van deixa 12 mortos em estrada de MG

Van que se envolveu no acidente em Patos de Minas (MG) na madrugada deste domingo (20) — Foto: Polícia Rodoviária Federal/Divulgação

Uma batida frontal entre um caminhão e uma van na BR-365 deixou 12 mortos e 1 ferido em Patos de Minas (MG), na madrugada deste domingo (20).

Segundo o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, os mortos são 11 passageiros que estavam na van, que seguia para Patrocínio (MG), e o motorista do caminhão, que tem placa de Itabaiana (SE).

Um passageiro da van foi socorrido para o Hospital Regional de Patos de Minas em estado grave, com ferimentos na cabeça, no abdome e no joelho.

Os corpos foram levados para o Instituto Médico Legal (IML) de Patos de Minas, que ainda não divulgou a identidade das vítimas.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a suspeita é que o motorista da van tentou desviar de uma árvore que caiu na pista por conta de uma queimada e atingiu o caminhão que estava no sentido contrário.

“A árvore na estrada pode ter sido o resultado de uma queimada às margens da rodovia. A base da árvore estava queimada, danificada pelo fogo. Ela caiu e bloqueou metade da pista de rolamento”, explicou o PRF João Alvarenga.

Acidente foi registrado na madrugada deste domingo (20), próximo ao trecho conhecido como ‘Curva dos Moreiras’. — Foto: Polícia Rodoviária Federal/Divulgação

O acidente ocorreu no km 373 da rodovia, num trecho conhecido como Curva dos Moreiras. Os bombeiros informaram que a van seguia para Patrocínio.

O trânsito foi totalmente interditado até as 5h30 e a pista foi totalmente liberada às 8h, segundo a PRF.

Segundo acidente

De acordo com a PRF, cinco minutos após a pista ter sido totalmente liberada, um segundo acidente foi registrado.

A PRF informou que por pressa e falta de atenção, um caminhão bateu na traseira do outro, espalhando a carga pelo local.

A pista novamente teve que ser interditada e, até o momento, funciona em sistema pare e siga.

O trecho será totalmente liberado após a remoção dos caminhões.

FONTE: G1

Comentarios