Reunião no INSS busca soluções para aposentadoria dos pescadores do AM

(Foto: Divulgação)

As dificuldades enfrentadas pelos pescadores do Amazonas em se aposentar, bem como no acesso a outros benefícios previdenciários, foram discutidos hoje (16) numa reunião no Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), em Brasília.

O encontro teve as presenças do presidente do INSS, Leonardo Rolim, do deputado Federal do Amazonas, Delegado Pablo, e do presidente da Confederação Nacional dos Pescadores (CNPA), Walzenir Falcão.

Por causa da grande extensão territorial do Amazonas, os pescadores têm dificuldade em receber os serviços do INSS. Vários municípios do Amazonas não possuem postos do órgão, o que atrapalha ainda mais o atendimento aos trabalhadores.

O problema foi denunciado pelo presidente da CNPA e da Federação dos Pescadores do Amazonas (Fepesca), Walzenir Falcão. Ele disse que muitos pescadores não conseguem se aposentar por causa da burocracia e da falta de acesso aos postos do INSS.

“Temos dezenas de pescadores em condições de se aposentar, mas não conseguem o benefício”, revela Walzenir. “Há casos de pescadores que trabalharam a vida inteira, morreram, e não conseguiram se aposentar”, lamentou.

Para resolver o problema, o deputado Delegado Pablo afirmou que ajudará o órgão a abrir mais postos no interior do Amazonas, principalmente nas localidades mais distantes, onde vivem os pescadores.

(Foto: Divulgação)

Delegado Pablo e Walzenir Falcão sugeriram ao presidente do INSS a criação de uma embarcação capaz de percorrer os rios do Amazonas e levar os serviços às comunidades ribeirinhas.

Com o nome de ‘Previbarco’, a proposta foi bem recebida pelo presidente do INSS. A ideia deve ser colocada em prática em breve.

Delegado Pablo garantiu que pode liberar emendas parlamentares para a construção do ‘Previbarco’. A ideia é levar os serviços do INSS não apenas pescadores, mas para toda a população ribeirinha.

“Se os trabalhadores têm dificuldade para chegar aos postos do INSS, o posto do INSS vai até os trabalhadores. É um direito de quem trabalhou a vida inteira”, defende Pablo.

Comentarios