Mãe é indiciada por tortura após filmar agressão ao filho

Adolescente foi amordaçado por um homem enquanto mãe cometia agressões e o xingava. (Imagem: Reprodução)

Uma mulher foi indiciada por tortura após gravar um vídeo mostrando as agressões contra o próprio filho. O adolescente, de 14 anos, teve os cabelos e as sobrancelhas raspadas enquanto era amordaçado por um homem e xingado pela mãe. As informações são do G1.

As imagens da agressão circularam na internet e está sendo investigadas pela Polícia Civil. O caso ocorreu no dia 21 deste mês, em Rio Preto da Eva, a 57 km de Manaus, mas a polícia só teve conhecimento das imagens nesse sábado (27).

O menino foi ouvido e está sob responsabilidade do Conselho Tutelas do município. Além da mãe e do adolescente, outras duas pessoas aparecem nas filmagens.

Um homem segura o garoto com uma mordaça na boca enquanto ele grita e chora, e uma sobrinha da mulher, de 12 anos, teria filmado as agressões, conforme a polícia.

O delegado Henrique Brasil informou que a mãe foi ouvida e indiciada por tortura no âmbito da delegacia de polícia. Ela relatou que cometeu a tortura por conta de suposto envolvimento do adolescente com tráfico de drogas. No dia do crime, ele teria pegado passado a madrugada com a moto da mãe.

“Faz tuas lives agora e diz que tu é dono e proprietário. Eu ainda não morri, entendeu? Tu tá tendo sorte que eu não estou te espancando, estou sendo boazinha contigo. Estou cansada, perdendo meu dia de trabalho hoje”, diz a mulher, no vídeo.

Enquanto pratica a tortura, a mulher disse as seguintes frases:

“Nunca mais você vai pegar nada de ninguém escondido, e cala a boca (…) Quer ser viado, aprende a ser viado. Vai na polícia, dá parte e diz que foi eu que fiz isso, eu sou tua mãe. Dar parte pra vê se tu vai ficar vivo. Nunca mais”, declara.

Ao terminar de raspar os cabelos e sobrancelha do filho, a mãe pega uma sandália e agride o filho. O caso está sendo investigado pela equipe da 36ª Delegacia Interativa de Polícia do Rio Preto da Eva, e deve ser encaminhado à Justiça.

Comentarios