Criança é morta com tiro de arma caseira, na Zona Leste

Roberto Siqueira irá responder por homicídio doloso por ter tirado a vida da enteada, a pequena Yasmim Garcia, de apenas 3 anos ─ Imagem: Divulgação

A morte da pequena Yasmim Vitória Garcia da Rocha, de 3 anos, ganhou grande repercussão na noite desta segunda-feira (20), em Manaus. A criança foi atingida por um tiro de arma caseira – que era manuseada pelo padrasto dela, identificado como Roberto Siqueira, de 19 anos. O caso ocorreu em um sítio, localizada no ramal do Vegetal, no bairro Tarumã, Zona Oeste de Manaus.

A irmã de Roberto, identificada como Ketlen Siqueira, relatou que ele estava mexendo na arma e acabou atirando – de forma acidental – contra a criança, que estava perto dele.

“Foi uma fatalidade. Meu irmão nunca foi preso antes e nunca manuseou uma arma. O dono da espingarda pediu para o Roberto ajudar a testar o armamento. Foi quando ele puxou uma corda e disparou”, disse Ketlen.

Ainda conforme a mulher, a família está sofrendo ameças do pai biológico de Yasmim. “Estão divulgando nas redes sociais dizendo que meu irmão é marginal e que vão invadir as nossas casas”, relatou.

O conselheiro tutelar da Zona Centro-Oeste, Cosme França, conversou com o pai de Yasmim e seus familiares. Eles acreditam que o tiro pode ter sido disparado de forma proposital.

“O pai contou que não queria que a mãe levasse a filha para o sítio. Ainda segundo a avó paterna, o padastro não tinha uma convivência boa com a criança. Eles supõem que o suspeito tinha ciumes da criança com a companheiro e tenha cometido o crime”, explicou.

“Eu acho que não foi acidente. Como vó eu sentia que ele não gostava da minha neta. Meu coração dói muito”, lamentou a avó paterna, que não teve o nome divulgado.

Caso sob investigação

No momento do disparo, Yasmim estava sob a guarda da mãe. Conforme a polícia, a menina foi baleada por volta das 14h30 e foi levada pela avó materna até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Campos Sales. Posteriormente, a menina foi transferida para o Hospital e Pronto-Socorro da Criança, no bairro Compensa, também na Zona Oeste, onde não resistiu e morreu por volta das 19h.

Policiais da 20ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) foram acionados e se deslocaram até o sítio onde ocorreu o disparo que atingiu a menina. No local, eles apreenderam a arma, mas não encontraram o padrasto da criança. O jovem foi localizado na casa onde mora, na comunidade Jesus Me Deus, Zona Norte da capital, onde ele se entregou.

Inicialmente, o suspeito foi levado para a Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca) e, depois, encaminhado à Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), onde o caso deve ser investigado.

FONTE: EM TEMPO

Comentarios