Treze peixes-bois resgatados e reabilitados são devolvidos aos rios da Amazônia

Essa foi a primeira soltura no Amazonas desde o início da pandemia e a maior já realizada pelo projeto.

Treze peixes-bois resgatados e reabilitados pelo Projeto Mamíferos Aquáticos da Amazônia – que tem o patrocínio da Petrobras e é executado pela Associação Amigos do Peixe-boi (AMPA) em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) – foram devolvidos aos rios da região na última semana. Após viajarem por mais de 20 horas, os animais foram soltos na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Piagaçu-Purus, a 223 km de Manaus. Essa foi a primeira soltura no Amazonas desde o início da pandemia e a maior já realizada pelo projeto. A ação desse ano também foi considerada especial porque, além de marcar o retorno dos peixes-bois ao seu ambiente natural, só pôde ser realizada após a superação de muitos desafios.

Inicialmente, a soltura estava programada para abril de 2020, mas precisou ser adiada em função das restrições de circulação de pessoas impostas pela pandemia de Covid-19 e que também levou ao fechamento das unidades de conservação da região. Além disso, em janeiro de 2021 o Amazonas sofreu com uma das maiores enchentes de sua história, que provocou a inundação do lago do semicativeiro onde os peixes-bois ficam para se aclimatar às condições naturais. Em função disso, os animais precisaram ser retirados do lago e levados de volta aos tanques de cativeiro do INPA, o que também adiou a soltura.

Mais recentemente, com o início da vazante e a redução do número de casos de Covid-19 no estado do Amazonas, os integrantes do Projeto iniciaram os preparativos para a soltura, fazendo os exames necessários (de sangue, medição e pesagem) para verificar se os animais estavam com condições físicas e de saúde adequadas para voltar aos rios. Dos 13 peixes-bois selecionados para essa soltura, com idades entre quatro e 14 anos, cinco receberam cintos transmissores – um equipamento de frequência VHFacoplado no pedúnculo caudal do animal – para que os pesquisadores possam avaliar o sucesso de adaptação às condições do ambiente natural. Os peixes-bois podem viver por cerca de 60 anos. “Mesmo com atividades de campo interrompidas e as restrições impostas pela pandemia, o número de animais resgatados e levados ao INPA aumentou em 2020, com a chegada de mais de dez peixes-bois vivos em um tempo muito curto. Recuperar a condição física dos animais, a enchente e as restrições da Covid fizeram dessa soltura algo muito especial. Diferente de outras vezes, nessa soltura não tivemos interação com as comunidades ao longo da viagem; mas esse é um cuidado fundamental para a saúde de todos”, avalia Dra. Vera Silva, coordenadora do projeto.

O respeito ao meio ambiente é um valor para a Petrobras, que investe em ações e projetos – como o Mamíferos Aquáticos da Amazônia – que buscam ampliar o conhecimento, a conservação e a recuperação da biodiversidade e que geram transformações positivas para as comunidades.

Programa Petrobras Socioambiental

O investimento em projetos socioambientais está previsto em um dos dez compromissos de sustentabilidade assumidos no Plano Estratégico 2021-25. Por meio do Programa Petrobras Socioambiental, a Petrobras apoia projetos em temas relevantes para a indústria de óleo e gás e para os territórios onde atua, em todo o país, através de parcerias – muitas de longa data – com instituições do terceiro setor. São apoiadas ações com potencial de grande alcance em número de pessoas atendidas e biomas protegidos, e voltadas para a geração de emprego e renda; para o preparo para o exercício da cidadania; para o atendimento de crianças e adolescentes; para a conservação da biodiversidade costeira e marinha; e para a recuperação de florestas e áreas naturais, entre outras. Em 2020, a Petrobras investiu R$ 89 milhões em projetos socioambientais.

Projeto Mamíferos Aquáticos da Amazônia

O Programa de Reintrodução de Peixes-bois da Amazônia, criado em 2008, reabilita animais resgatados, em sua maioria filhotes órfãos. Eles vão crescendo e mudando de tanque até que estejam aptos para serem transferidos para o semicativeiro e, depois, soltos nos rios da Amazônia. Além dos 13 peixes-bois soltos na semana passada, atualmente cerca de 15 animais estão em processo de reabilitação pelo Projeto Mamíferos Aquáticos da Amazônia visando a futura reintrodução. Desde 2016, 44 peixes-bois órfãos reabilitados foram reintroduzidos com sucesso na RDS-Piagaçu-Purus.

O projeto tem como principal objetivo proteger as espécies de mamíferos e ecossistemas aquáticos da Amazônia por meio dos estudos de ecologia, história natural e comportamento desses animais, além da integração com as comunidades ribeirinhas e o uso sustentável dos recursos naturais. Também executa diversas ações de pesquisa e educação ambiental, as quais visam garantir a conservação dos animais e permitem que as informações sobre as espécies e seus habitats cheguem às escolas, universidades e comunidades ribeirinhas da capital e dos interiores.

*Com informações da assessoria

Comentarios