SES-AM demite médica que aplicou nebulização de hidroxicloroquina em pacientes

A ginecologista e obstetra, Michelle Chechter,havia sido contratada em regime temporário pela SES-AM.

A Secretaria Estadual de Saúde do Amazonas (SES-AM) demitiu e investiga a médica ginecologista Michelle Chechter, que trabalhava na maternidade Instituto da Mulher Dona Lindu, em Manaus, por ter aplicado nebulização de hidroxicloroquina como tratamento para covid-19. Pelo menos uma paciente morreu depois do procedimento, segundo a secretaria.

A mulher que morreu depois da nebulização havia acabado de dar à luz. A pasta informou que o tratamento não faz parte dos protocolos terapêuticos do Instituto Dona Lindu “nem de outra unidade da rede estadual de saúde, ainda que com o consentimento de pacientes ou de seus familiares”, diz nota da secretaria. O bebê passa bem.

“O procedimento tratou-se de um ato médico, de livre iniciativa da profissional, que não faz mais parte do quadro da maternidade, onde atuou por cinco dias”, diz o governo estadual. O comunicado diz também que “tão logo tomou conhecimento do ato, a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas determinou abertura de sindicância e o afastamento da profissional”.

A morte dessa paciente ocorreu em fevereiro, mas só agora veio a público. A secretaria disse que a médica passou a fazer parte da equipe em 3 de fevereiro, depois de uma contratação em regime temporário junto a outros profissionais de saúde.

A pasta afirmou que outra paciente foi tratada com a nebulização de hidroxicloroquina e depois teve alta. “Conforme o instituto informou à secretaria, duas pacientes foram submetidas ao tratamento de nebulização de hidroxicloroquina. Ambas assinaram termo de consentimento, como relatado em prontuário. Uma das pacientes veio a óbito e a outra teve alta. Todas as informações sobre o atendimento estão registradas em prontuário”, afirma a pasta.

O texto diz ainda que a secretaria e o instituto não compactuam com a prática de “qualquer terapêutica experimental de teor relatado e não reconhecida e entende que tais práticas não podem ser atribuídas à unidade de saúde, que tem como premissa o cumprimento da lei e dos procedimentos regulares, conforme os órgãos de saúde pública e os conselhos profissionais”.

Em março, 3 pacientes que passaram pela nebulização de hidroxicloroquina morreram durante tratamento em Camaquã, no Rio Grande do Sul.

Nas redes sociais, a médica Michelle Checter mantém um selo com os dizeres “covid-19. Eu apoio o tratamento precoce”. O chamado “tratamento precoce” é o uso de medicamentos sem comprovação de eficácia contra a covid-19, como cloroquina e ivermectina. Pelo menos uma publicação sobre a eficácia da cloroquina na rede social Facebook foi marcada como “informação falsa”.

Comentarios