Manaus irá decretar Situação de Emergência por conta de cheia do rio Negro

Cota é considerada normal, sendo maior cheia registrada no Negro foi em 2012, com 29,97m © Alberto César Araújo

O nível do rio Negro chegou a 29,07 metros nesta segunda-feira, 3/6, conforme dados do porto de Manaus, colocando a capital do Amazonas na cota de emergência pela subida das águas. O prefeito de Manaus, Artur Virgílio Neto, anunciou a Situação de Emergência, que deverá ser publicada no Diário Oficial do Município (DOM) nos próximos dias.

“O decreto possibilita que, caso necessário, solicitemos recursos do governo federal, sendo também a ferramenta jurídica que libera o encaminhamento do Aluguel-Social”, destacou o prefeito, durante coletiva de imprensa realizada nesta manhã na sede da prefeitura, zona Oeste. “É importante ressaltar que, ainda em janeiro deste ano, a Defesa Civil municipal iniciou o monitoramento preventivo, construção de pontes e cadastro das famílias em todos os bairros passíveis de alagação”, completou Artur Neto, que estava acompanhado da presidente do Fundo Manaus Solidária, a primeira-dama Elisabeth Valeiko Ribeiro.

O Serviço Geológico do Brasil (CPRM) divulgou que a cota máxima pode variar entre 29,18 metros a 29,33 metros. Desde o primeiro alerta de cheia na capital, o trabalho integrado de diversas secretarias da prefeitura já resultou na construção de mais de mil metros de pontes provisórias em seis bairros, dentro da operação SOS Enchente, e identificou 2.271 famílias que podem ser afetadas pelo fenômeno nos 15 bairros passíveis de alagação.

“Vamos reforçar tudo que já vem sendo feito e, além da criação de pontes, vamos ver o trabalho de vacinação, de prevenção a moléstias, dar toda a assistência a essas pessoas, dentro daquilo que podemos fazer”, ressaltou o prefeito Arthur Virgílio Neto.

Conforme o monitoramento da Defesa Civil de Manaus, os bairros mais afetados pela cheia são: São Jorge, Colônia Antônio Aleixo, Aparecida, Educandos, Presidente Vargas, Mauazinho, Tarumã, Raiz, Betânia, Centro, Santo Antônio, Cachoeirinha, Glória, Compensa, Puraquequara, além de algumas áreas das zonas rural e ribeirinha.

 

Comentarios