Figueira sobe tom e defende que COP26 reconheça povo amazônida como principal protetor da floresta

Foto: Jimmy Christian

Na sessão desta quinta-feira (4), na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), o deputado Angelus Figueira (DC) falou sobre a Cúpula do Clima (COP26), que ocorre em Glasgow, na Escócia, e subiu o tom ao lembrar que outros países não podem “apontar o dedo para o Amazonas e para o homem do interior” como se eles não fizessem nada pela preservação da floresta.

De acordo com Angelus Figueira, tanto o Estado como o próprio povo amazônida têm realizado ações firmes para a proteção da cobertura vegetal, que, atualmente, é mantida em mais de 95% preservada.

“O Estado que preserva 97% da sua cobertura vegetal quando outros países agridem o meio ambiente de forma, praticamente, irreversível e que dependem do Amazonas, dependem da Amazônia, apontem o dedo como se o serviço que esse Estado presta, assim como o homem do interior presta para o mundo, aparece como o bandido e o culpado pelas mudanças climáticas”, disse.

E completou: “Isso, é, no mínimo, uma afronta e agressão àquele homem do interior. É uma agressão às nossas diversas etnias. É uma verdadeira agressão à nossa inteligência. Não é só um apontar de dedo de quem não tem nenhuma condição de apontar. Agora quando as mudanças climáticas são um fato, o dedo é apontado para aquele que preservou. Coisa estranha, é apontado porque eles não contribuem com nada. Essa gente nunca contribuiu com nada, mas apontar o dedo para Amazônia e Amazonas, cabe neste momento”, completou sua fala.

COP26
A 26ª Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP26), em Glasgow, na Escócia, teve início no domingo (31). O encontro sobre o clima e o meio ambiente reúne representantes dos 196 países signatários do Acordo de Paris. Entre os assuntos discutidos estão ações de desenvolvimento e preservação do meio ambiente, emissão de gases que provocam efeito estufa e aquecimento global.

“Como bode expiatório da crise causada pelos países que mais poluíram e agrediram a questão ambiental. Não se discute a questão de carros elétricos e outras medidas. Reconhecemos a questão da intervenção na questão hídrica, mas não podemos chegar à COP26 de joelhos. É inaceitável o que se faz com o homem do interior, com o amazonense, com as comunidades tradicionais. Você imagina essa cobertura vegetal, é um exemplo. Enquanto nosso homem do interior vive a ausência de perspectiva, nós não podemos continuar caminhando desta forma”, finalizou Ângelus Figueira.

Ao conceder a fala aos colegas, o deputado Tony Medeiros (PSD) agradeceu o discurso de Figueira e completou sobre o que mais outros países têm feito para preservar as florestas.
“Deputado Angelus, quero aqui reconhecer a importância do seu pronunciamento. A Europa sabe cobrar, mas não sabe fazer a parte dela. O Amazonas tem 96 a 97% de toda sua área preservada. Me mostre qual outro modelo no mundo preservou tanto a floresta”, indagou o deputado Tony Medeiros.

Comentarios