Equipe do SESI é 3º lugar na etapa estadual da Olimpíada Brasileira de Robótica

© Divulgação

A equipe Team Proxidy 1, formada pelos estudantes Erick Nava, João Luiz Júnior e José Sousa, alunos da Escola SESI Dra. Emina Barbosa Mustafa, conquistou o 3º lugar na etapa Amazonas da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR), neste sábado, 29, no SESI Clube do Trabalhador. A competição que é dividida pelo nível de escolaridade, teve no 1º e 2º lugares, respectivamente, a equipe Irineu (Centro Educacional Século), e Captain Of My Soul (Escola Municipal Jorge de Rezende Sobrinho, da Semed).

Dividida nos níveis Zero, com alunos do 1º ao 3º ano do ensino fundamental, nível 1, do 1º ao 8º ano, e nível 2, para estudantes do 8º e 9º ano do fundamental e todos os anos do ensino médio ou técnico, a modalidade prática desafia os alunos a construir e programar robôs autônomos para cumprir uma série de missões dentro do desafio proposto. Ganha a equipe que realizar a melhor pontuação em três rodadas dentro do tempo de 5 minutos.

“Estamos desde janeiro nos preparando para participar da OBR, desenvolvemos a montagem e programação dos robôs sempre aliado ao que ele deveria desenvolver nas mesas de prova, como desvio de obstáculos, intersecções e encruzilhadas”, disse o aluno Erick Nava, 13, 8º ano da Escola SESI Dra. Emina Barbosa Mustafa.

Os desafios propostos para o robô influenciam não só no direcionamento dele como na velocidade que tem que exercer em cada função. Segundo Nava, a importância do trabalho em equipe é fundamental dentro desse processo, onde cada membro fica responsável por uma parte para melhor execução dentro da prova.

“Para o desenvolvimento do aluno essa experimentação é fundamental. Aqui eles conseguem ter ideia do que aprenderam e do quanto ainda terão que aprender, comparando o trabalho deles com o de outro e com a troca de experiência entre eles”, disse o coordenador da Olimpíada, Glauco Soprano.

O trabalho, segundo ele, é uma forma de fomentar a robótica educacional no estado. “O mais importante no evento não é o que se ganha na competição mas aquilo que se aprende dentro dela. Competições como essa de robótica despertam o interesse do aluno para áreas de exatas, como matemática, ciência, tecnologia e engenharia”.

O estímulo aos jovens para as carreiras científico-tecnológicas acontece dentro e fora de sala de aula, segundo a dona de casa, Silvia Kenmoshi, 41, mão do aluno Nelson, 9º ano, e da ex-aluna Mariana, da Escola SESI Dra. Emina Barbosa Mustafa. Através das atividades desenvolvidas dentro da escola Nelson já demonstra interesse pela carreira.

“A participação em eventos como esse e o auxílio dos professores do SESI ajudaram muito no desenvolvimento dos meus filhos. A inclusão do ensino de robótica desde o fundamental despertou neles a vontade de atuar na área. Hoje, minha filha faz engenharia de produção na Ufam (Universidade Federal do Amazonas) e o Nelson está demonstrando interesse em programação”, disse ela.

Com interesse na área de ciência da computação, o aluno Nelson Kenmoshi, 13 anos, há quatro anos despertou o interesse pela programação. “Sempre participo das competições de robótica do SESI e fico fascinado pela programação. Na OBR eu fiquei responsável por essa parte do robô e conseguimos o 8º lugar entre 24 equipes do nível 2”, disse ele.

No total, o SESI participou da etapa estadual com três equipes, Team Proxidy 1 e 3, no nível 1, que conquistaram respectivamente o 3º e 15º lugar, e com a equipe Team Proxidy 2 participando no nível 2, em 9º lugar.

A Olimpíada teve a participação da Escola SESI Dra. Emina Barbosa Mustafa, Fundação Matias Machline, Instituto Federal do Amazonas (IFAM), Colégio Dom Bosco, Semed – Escola Municipal Jorge de Rezende Sobrinho, Centro Educacional Século, entre outros.

Comentarios