Donald Trump sobe tom e ameaça presidente do Irã: ‘Cuidado’

As vozes dissonantes, no entanto, são aquelas que já o criticaram em outras oportunidade — entre seus aliados, o silêncio é majoritário.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, usou seu perfil no Twitter para ameaçar o mandatário do Irã, Hassan Rohani, e disse que o país pode enfrentar “consequências que poucos na história sofreram antes”.

A declaração chegou horas depois de Rohani alertar para Trump “não brincar com fogo”, ou “se arrependerá”. “Tenha em mente que você não pode provocar o povo iraniano com a desculpa da segurança e dos interesses de seu país. O Irã é soberano e não será o faz-tudo de ninguém”, disse o presidente iraniano, acrescentando que um conflito entre os EUA e a nação persa seria “a mãe de todas as guerras”.

No Twitter, Trump disse para Rohani “nunca mais ameaçar os Estados Unidos de novo”. “Ou você sofrerá consequências que poucos através da história sofreram antes. Não somos mais um país que apoiará suas dementes palavras de violência e morte. Cuidado!”, escreveu o presidente, em letras maiúsculas, como se estivesse gritando.

Além disso, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, acusou o líder supremo do Irã, Ali Khamenei, de ter um fundo especulativo “secreto” com US$ 95 bilhões em ativos. Os recursos, segundo Pompeo, são usados pela Guarda Revolucionária do país persa. “O nível de corrupção e riqueza entre os líderes do regime demonstra que o Irã é administrado por algo que se parece mais com a máfia do que com um governo”, reforçou.

A primeira resposta à Casa Branca veio do chefe da Justiça iraniana, Sadeg Larijani, que disse que as declarações de Trump foram feitas por uma “pessoa incapaz e estúpida”. “Qualquer ação pouco sábia dos EUA levará a uma resposta inesquecível do Irã”, disse.

Em abril passado, o presidente norte-americano rasgou o acordo sobre o programa nuclear iraniano, assinado em 2015, na gestão Obama, com outras cinco potências: China, Rússia, Reino Unido, França e Alemanha.

Desde então, os países remanescentes tentam salvar o pacto, mas as sanções impostas pelos EUA podem impedir que empresas multinacionais invistam na economia iraniana.

Fonte: ANSA

Comentarios