Aeroportos do Brasil recebem alerta sobre estudante de medicina de Manaus foragido por suspeita de estupro

Foto: Reprodução

A Polícia Federal foi acionada e emitiu alerta para os aeroportos após o estudante de medicina suspeito de estupro de vulnerável ser considerado foragido. Na tarde desta terça-feira (12), a Polícia Civil cumpriu buscas nos endereços do investigado em Manaus e Teresina, mas ele não foi localizado.

O estudante é suspeito estupro contra pelo menos quatro garotas em Teresina. O delegado geral da Polícia Civil do Piauí, Lucy Keyko, informou ao g1 que o investigado não foi encontrado para o cumprimento do mandado de prisão preventiva.

O mandado de prisão foi expedido em 7 de outubro, mas somente nesta terça-feira (12) foram feitas buscas tentativa de localizar o estudante. Procurada, a defesa do estudante informou que ainda não foi informada formalmente sobre a decisão e que, por isso, não vai se pronunciar no momento.

“Houve diligências nos endereços dele em Manaus, no intuito de cumprir a Carta Precatória. Em Teresina, a DCPA [Delegacia de Proteção a Criança e ao Adolescente] fez buscas, mas ele não foi localizado”, informou o delegado Marcelo Leal, da Gerência Especializada (GPE).

A mãe de uma das vítimas soube do caso em setembro deste ano e procurou a Delegacia de Proteção aos Direitos da Criança e do Adolescente (DPCA), que fez o pedido da prisão. O caso está sob sigilo e o g1 não divulgou as identidades dos envolvidos para preservar as vítimas.

Confira a nota da Polícia Federal abaixo:

A respeito do caso do estudante de medicina suspeito de abusar sexualmente de quatro crianças, atualmente foragido da Justiça, a Polícia Federal esclarece que está prestando o devido apoio à Polícia Civil no cumprimento do mandado de prisão preventiva que se encontra em aberto.

A Polícia Federal foi acionada em virtude da possibilidade de tentativa de fuga do suspeito para o exterior. Todas as unidades da PF nas fronteiras aéreas e terrestres foram comunicadas e encontram-se em alerta.

As informações são do G1 Piauí.

Comentarios